Sábado, um repouso divino para a humanidade

Introdução

Quando a observância do Sábado for encarada como uma bênção de Deus para o homem, e considerada na sua verdadeira perspectiva, será bem mais apreciada e experimentada.
Não é necessário afastar–se do relato do Gênesis, a fim de concluir a relevância que este repouso representa para o povo de Deus. Gênesis 2:1–3 apresenta o pressuposto de que o descanso do Sábado é imperativo para Deus. Por conseguinte, deve ser para o Seu povo.
Assim, pois, foram acabados os céus e a terra, e todo o seu exército. E havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera (Gênesis 2:1–3).

Três Importantes Verbos

Uma leitura reflexiva nos ajudará a entender o propósito divino para o Sábado. O texto que acabamos de apreciar nos destaca três verbos que constituem uma chave importantíssima no estudo deste assunto: Descansou, abençoou, santificou. Se pudermos entender a magnitude da mensagem embutida nestes três verbos, abrir–se–á perante os nossos olhos um arcabouço de riquezas espirituais sobre o repouso divino para o homem.
Descansou
Sabemos pelo texto de Isaías 40:28 que Deus não se cansa. O cansaço é uma intempérie da natureza humana. Se o Senhor descansou naquele primeiro Sábado da semana da criação, segundo o relato bíblico, só o podemos entender a partir da idéia de um repouso comemorativo. O Criador estava estabelecendo um vínculo do descanso sabático com a semana da criação, tornando–o um memorial de sua atividade criadora.
Abençoou
Tendo em vista que descansou, também abençoou; e este último verbo amplia a importância das atribuições do Sábado.
Para o patriarca Abraão, a bênção de Deus significou muito mais que apenas um bem retórico. Havia uma implicação de profundas conseqüências naquela bênção. Examinemos Gênesis 12:2, 3 “ Eu farei de ti uma grande nação; abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome; e tu, sê uma bênção.
Abençoarei aos que te abençoarem, e amaldiçoarei àquele que te amaldiçoar; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.”
Em razão dessa bênção, os que fossem amigos de Abraão também seriam amigos de Deus, os seus inimigos seriam inimigos de Deus. A declaração de bênção sobre o patriarca indicava um vínculo especial de mútua apreciação.
Em relação ao Sábado não é diferente. A atribuição de uma bênção divina sobre ele, o destaca definitivamente dos outros dias, e estabelece um ponto em comum entre Deus e o Seu povo peculiar.
Santificou
A expressão santificação, como usada na Bíblia tem a sua origem nos dois idiomas básicos usados para a sua composição, o grego e o hebraico. Vejamos o que o comentário Bíblico Adventista nos diz a respeito:
“Santificação. Do grego hagiasmos, “santidade”, “consagração”, “santificação”, de hagiazo, “tornar santo”, “consagrar”, “santificar”, “separar”; equivalente ao Hebreu qadash, “separado do uso comum”. Como os teólogos modernos o chamam, a santificação denota um processo de desenvolvimento do caráter, ou o resultado desse processo.”[1]
“O ato de santificação consistia em uma declaração de que o dia era santo, ou separado para propósitos santos. Como mais tarde o monte Sinai foi santificado (Ex. 19:23), ... investido com santidade como a residência de Deus. Arão e seus filhos foram santificados, ou consagrados para o ofício sacerdotal (Ex. 29:44). O ano do Jubileu foi santificado ou devotado para propósitos religiosos (Lev. 25:10). Aqui, da mesma forma o sétimo dia foi santificado, e como tal, proclamado para ser um santo dia. Este ato de abençoar o sétimo dia e declará–lo santo foi feito no interesse da raça humana, para cujo benefício o Sábado foi instituído... “O Sábado foi feito por causa do homem” (Marcos 2:27).”[2]

A Posição do Sábado no Relato da Criação

A santificação do Sábado acontece na linha divisória entre o fim da primeira história da criação (Gênesis 1:1 – 2:3) e o começo da segunda história que lida com o homem e o jardim do Éden (Gênesis 2:4–25). Essa colocação do sétimo dia no ponto divisório, implica o seu papel significativo: A celebração e inauguração da história da humanidade.
Na primeira história da criação, o sétimo dia está estreitamente relacionado com as origens humanas. Ele acontece após a criação e as bênçãos sobre os elementos criados, inclusive o homem (Gênesis 1:26–31). De fato, a história do homem e do Sábado não apenas é narrada em seqüência, mas também recebe maior cobertura do que todos os outros eventos da criação. Isto reflete tanto a sua interdependência quanto importância.
O primeiro dia completo da vida de Adão ele não despendeu trabalhando, mas passou celebrando com o Criador a Sua obra completa e perfeita. Havia uma interligação entre a criatura e o Criador estabelecida pela semelhança de ambos (Gênesis 1:26). Por essa razão, a injunção do quarto mandamento para que o homem celebre o dia da criação repousando no Sábado, estava baseada na responsabilidade de imitar o padrão estabelecido por Deus na semana da Criação.[3]

Conclusão

Portanto, sem afastar–nos muito do relato do Gênesis é possível entender que o Sábado é um repouso divino para as inquietudes humanas. Através dele, embora vivendo no final do século vinte, o homem poderá reportar–se aquele primeiro repouso quando Adão festejou a criação da Terra e a sua própria criação tendo como companhia o Grande Benfeitor da humanidade, o próprio Deus.

Pastor Josimir Albino do Nascimento







[1] Horn, Siegfried H., Seventh-day Adventist Bible Dictionary, (Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association) 1979.

[2] Nichol, Francis D., The Seventh-day Adventist Bible Commentary, (Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association) 1978.
[3] Samuele Bacchiocchi, Divine Rest For Human Restlessness, pp. 20, 21. (230 Lane, Berrien Spring, Michigan 49103 – USA), 1980.

assine o feed

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Créditos

100% Adventista

Site melhor visualizado no Google Chrome ou no Mozilla Firefox,
Desenvolvido por Bruno, membro da IASD Central do Rio de Janeiro.

Autores:

Clayson Albino

Daniel Santos

Editor Geral:

Bruno Vieira

Todos os Direitos Reservados © 2008 - 2013

Área Restrita

Usuário:
@comunidadeadventista.com
Senha:
Não consegue acessar a sua conta?

  © Comunidade Adventista - 2008 - 2013 | Desenvolvido por Bruno Vieira