Comentário da Lição - Gilson Nery - Lição 6

Lição 06. Primeiro trimestre. 31 / 01 a 07 / 02 / 009
Comentários de Gilson Nery
Esc. Sabatina

Provando os profetas

O Espírito Santo não torna um profeta pessoalmente infalível, nem as suas palavras, quando escreve ou fala as suas mensagens inspirados por este Espírito, mas, no conteúdo vital de suas mensagens, não pode haver falhas humanas, porque estas mensagens são divinas, embora a inspiração não atue diretamente nas palavras do mensageiro, ela atua diretamente e totalmente nestes profetas e, não existe essa de “graus” de inspiração entre profetas e profetas, ou ele é inspirado ou não é inspirado, ou as suas mensagens são de Deus ou não são de Deus, neste caso não existe meio termo. Um escritor sacro não inspirado pelo Espírito Santo, embora guiado por Este Espírito, não tem autorização para fazer declarações tais como: “O Senhor me mostrou;” “Assim diz o Senhor;” “Foi me revelado;” “Esta é a Palavra que o Senhor falou;” etc, embora ele seja um homem ou mulher de Deus santificados e verdadeiros cristãos e, neste caso sim, existe até certo ponto, graus e uma espécie de inspiração entre um escritor simplesmente sacro e o profeta que escreve inspirado, entre um profeta e outro profeta é que não existe estes denominados graus de inspiração, ou eles são inspirados ou não são inspirados. Note esta nota explicativa da Bíblia traduzida pelo padre Matos Soares sobre este assunto:
Inspiração e inerrância – Os livros da Bíblia, “a igreja reputa-os sagrados e canônicos, não porque, supondo-os compostos por atividade puramente humana, tenham depois recebido por ela aprovação ou autoridade, nem somente porque contêm a revelação sem mistura de erros, mas sim porque, tendo sido escrito sob a inspiração do Espírito Santo, têm por Autor o Próprio Deus e, como tais foram confiados a igreja.” Com essas palavras o Concilio Vaticano I ( Constituição dogmática da fé Católica, cap. II ) rejeita dois conceitos errados a respeito da inspiração da Bíblia, e delineia-lhes o verdadeiro conceito. A singular e incomunicável prerrogativa da Bíblia não vem da aprovação da igreja, nem ( absolutamente falando ) do argumento sagrado unido a imunidade de erro, mas de uma ação divina que ajuda e acompanha o autor humano ao escrever, de modo que o escrito se torna, ao mesmo tempo e em primeiro lugar, obra de Deus, Palavra de Deus. ...os escritos inspirados da Bíblia são porta vozes de Deus, e por eles, Deus Mesmo nos fala; ...”tudo aquilo que o autor sagrado afirma, enuncia ou insinua, deve considerar-se como afirmado, enunciado e insinuado pelo Espírito Santo,” assim diz a Pontifícia Comissão bíblica no seu decreto de 18 de junho de 1915, ponto II. O Sumo Pontífice Leão XIII, na encíclica Providentíssimus Deus, que acertadamente foi chamada a carta magna dos estudos bíblicos católicos, como que comentando as supracitadas palavras do Concilio Vaticano I, assim descreve a ação divina ao inspirar os autores sagrados: Ele ( o Espírito Santo ) com impulso sobrenatural os excitou e moveu ( os autores inspirados ) a escreverem, e assistiu-os enquanto escreviam, de tal maneira que se todas e só daquelas coisas que ele queria, eles formassem um conceito adequado e se propusessem escrevê-las fielmente e lhes dessem, com infalível veracidade, a expressão oportuna.”...Muito mais importante, porém, é outra conseqüência da inspiração. Visto que por ela a Escritura é Palavra de Deus não menos que do homem, e visto que Deus garante o que o escritor inspirado diz, segue-se necessariamente que, não podendo Deus enganar-Se nem enganar, o livro inspirado é imune de todo erro. A divina inspiração está tão longe de admitir algum erro, que não só exclui todos eles, mas os exclui e rejeita com a mesma necessidade pela qual Deus, a Verdade Suprema não pode ser Autor de erro algum.” ( Leão XIII ).
Estas declarações oficiais do Clero Católico Romano, por si só, excluem como sendo inspirados pelo Espírito Santo, os dois livros dos Macabeus constantes no Cânon bíblico Católico pelos idos do século XVI d.C. Leia II Macabeus 15:38 e 39.
O critério que deve ser usado, portanto, para se provar um profeta, não pode ser o mesmo usado para se provar um escritor ou mensageiro verbal e sacro comum, as exigências são extremamente maiores para aqueles que se apresentam como canais de mensagens dadas por inspiração sobre-naturais do Espírito Santo; uma pessoa pode escrever e falar de acordo com a Lei de Deus e o Testemunho, e, no entanto, não ser inspirada pelo Espírito Santo, ele teria sido inspirado mas não com o mesmo grau de inspiração que os profetas foram inspirados.

Verso para memorizar: Não devemos rejeitar os pretensos profetas sem examinarmos primeiro as suas mensagens e, quanto ao profeta já testado e aprovado como sendo verdadeiro, devemos examinar toda a sua mensagem ( se possível ), e reter tudo aquilo que estiver relacionado com o nosso caso, sem desconsiderar as suas demais mensagens aplicáveis à outros casos, ou para a igreja em geral; quanto as mensagens de profetas não verdadeiros e já desclassificados como tais, devemos ser prudentes e cautelosos em não nos envolver com suas mensagens falsas com o pretexto de “reter” algo de bom destas mensagens, sem conhecer profundamente a mensagem verdadeira; lembrai-vos de que foi quando Eva não conhecia a ciência do mal ( nem era para conhecer )se aventurou no terreno proibido e encantado do inimigo, que passou a ouvir e ver coisas, cochichos e vozes insinuantes deste inimigo, que ela caiu e se tornou a tentadora do marido e, o restante da história se arrasta por cerca de milhares de anos de miséria, morte, dor e, afetou a Própria estrutura física da Divindade para toda a eternidade.
Examinar tudo e reter o que for bom, em primeiro plano, é examinar as mensagens dos profetas e mensageiros que já foram identificados como verdadeiros; devemos verificar quais as suas mensagens que se apliquem ao nosso caso nos corrigir naquilo que estivermos errados, e, se for muito preciso e tivermos tempo, examinar, “também,” as mensagens dos falsos profetas com o objetivo de esclarecer a verdade aos menos avisados.

Parte de domingo. Sonhos e visões.

Note que o texto diz que Deus derramaria o Seu Espírito sobre toda a carne e que jovens e velhos teriam sonhos e visões, como entender? Note o seguinte: Todas as pessoas podem ter sonhos e visões provenientes de Deus como mensagens individuais e particulares e, no entanto, estas pessoas não serem profetas enviadas a dar mensagens para a igreja e, neste aspecto, o Espírito do Senhor é dado a toda a carne; o outro aspecto desta mensagem é a que tem que ver com a operação do Espírito Santo em toda a humanidade, Este Espírito realmente opera em todos os seres humanos que existem no mundo, sejam eles crentes ou não, sejam eles cristãos ou não, para que se convertam e sejam crentes e cristãos; assim é que entendo as palavras do profeta Joel quando afirma que o Espírito do Senhor seria derramado sobre toca a carne; a plenitude do Espírito Santo e Seus dons especiais, espirituais e sobre-naturais, estes sim, estão reservados para aqueles que aceitaram o Evangelho de Cristo, se arrependeram e se converteram e vivem este Evangelho; o dom de profecia, por exemplo, está reservado para esta classe de pessoas, mas, todos os que pretendam possuir este dom, devem passar pelo crivo de todas as provas para que possam assim serem aceitos como tais.
Perg. 01 – O Espírito Santo opera no profeta fazendo-o sonhar e ter visões e, a seguir, opera em sua mente, inspirando-o ao escrever ou dar a mensagem verbalmente relatando estas revelações. Existe, também, o processo ditado, neste o profeta ao escrever encontra-se inspirado pelo Espírito Santo, também; enfim, em todos os momentos em que o profeta está trabalhando para registrar as revelações recebidas do Espírito Santo, ele o faz assistido por Este Espírito. É importante que se saiba destes detalhes para que a nossa fé e convicção não se baseie no braço da carne ( Jr. 17:5 ), mas sim, nos braços eternos da Divindade. Dt. 33:27.

Parte de segunda feira. De acordo com a Bíblia.

Perg. 02 – Isa. 8:20. Falando-se isoladamente, o fato de alguém está dando mensagens de acordo com a Bíblia não prova nada em se tratando da questão de ser ou não ser um profeta; muitos escritores sacros escreveram de acordo com a Bíblia e nunca foram profetas, na identificação de um profeta para se saber se ele é de fato um profeta ( não tanto para identificá-lo como verdadeiro ), se exige muito mais do que saber se ele está de acordo com a Lei de Deus e com o Testemunho; é nas declarações oficiais e “ousadas” de um escritor sacro afirmando categoricamente que as suas mensagens lhes são dadas diretamente por Deus e por processos sobre naturais, que reside a grande diferença, para ele não existe meio termo que, normalmente existe nos escritores sacros comuns não profetas, ou as suas mensagens são o que diz ele ser, ou ele está enganado, embora seja sincero; esta é a grande e importantíssima diferença na identificação das credenciais de um profeta, e, naturalmente, associada a outros ponto de identificação.

Parte de terça feira. Profecias cumpridas.

Perg. 03 – Não devemos nos esquecer de que os falsos profetas também, as vezes acertam em suas predições, embora, nem ele e nem as suas fontes de informações ou de revelações, conheçam o futuro; somente Deus conhece o futuro, somente Ele é Presciente, Previdente e Onisciente, mais ninguém em todo o Universo, mas, existem os calculistas que devido as suas experiências de milhares de anos com a humanidade, podem calcular os acontecimentos da história humana; também existe o fator “providencialismo,” ou seja, prediz-se o acontecimento e providencia-se tudo para que estes acontecimentos se cumpram, e , quando a coisa não acontece conforme o planejado e “profetizado,” apela-se para o recurso da profecia de caráter condicional; como saber e o que fazer para identificar o falso do verdadeiro, eis a questão crucial e de vital importância. É preciso observar o seguinte: Ao examinarmos as credenciais de um profeta, precisamos verificar todos os itens de identificações e não apenas alguns destes itens, assim é que, o recurso da condicionalidade, ou seja, profecias de caráter condicionais, somente deve ser aceito se todos os outros itens forem preenchidos, se assim não for, ele é um falso profeta, e, neste caso, é aplicável o raciocínio de Tiago 2:10, ou ele é tudo o que diz ser, ou nada tem de um verdadeiro profeta. Se um profeta não tem autoridade e “ousadia santa” para afirmar que suas mensagens vem do Trono de Deus e que ele as recebe por inspiração do Espírito Santo no mesmo nível de todos os demais profetas verdadeiros da história eclesiástica, esse tal não deve ser considerado profeta verdadeiro; veja um exemplo de teor verdadeiro das mensagens de um verdadeiro profeta: “...Nestas cartas que escrevo, nos testemunhos que apresento, apresento-vos aquilo que o Senhor me apresentou a mim. Não escrevo um artigo sequer, na revista, expressando meras idéias minhas. São o que Deus me revelou em visão – os preciosos raios de luz que brilham do Trono.” Veja TS,2,pág. 26:2. Ler todo o parágrafo. Este posicionamento declarado e escrito, coloca esta declarante no mesmo nível dos escritores bíblicos os quais fizeram declarações idênticas, embora tenhamos sempre que ressaltar que apenas a Bíblia e a Bíblia só, deve ser considerada a norma de conduta e a regra de fé absoluta. Esta premissa não reconhece meio termo nas declarações do verdadeiro profeta em relação com um escritor sacro comum que escreve de acordo com a Lei de Deus e o Testemunho, este não pode e não tem autoridade para fazer tais declarações.
Perg. 04 – Note o seguinte: Deus não determinou as demoras e as tardanças relacionadas com as profecias indicadoras do fim da história do pecado e do sofrimento humano, estes ocorreram a partir do comportamento dos seres criados pecadores ou não pecadores, todavia, Deus estabeleceu um limite máximo nestas esperas, demoras e tardanças, este limite não será ultrapassado! Dentro deste limite, todas as profecias de caráter condicionais, serão anuladas ou mantidas até o limite máximo estabelecido pela economia divina. Ler com muita atenção Jr. 18:6-10. De acordo com os fatos históricos profetizados, 99% ( Aprox. )destas profecias não existem mais como profecias, são agora fatos históricos, daí a certeza absoluta que podemos ter que vivemos no ultimo tempo do fim deste limite estabelecido por Deus e que, não haverá mais demoras, ou tardanças. Ler com muita atenção Apc. 10:5-8. Deus tomará providências emergenciais e até mesmo drásticas para tirar da Sua igreja tudo aquilo e aqueles que não vivem de acordo com o Evangelho de Jesus Cristo, e a partir disto, Ele vai usá-la para iluminar o mundo com a glória deste Evangelho Eterno e então virá o fim e o inicio de uma vida de completa felicidade eterna com a vinda de Cristo. Amém!

Parte de quarta feira. Confessando Jesus, o Deus Homem.

Perg. 05 – Note o seguinte: Todas as igrejas “cristãs,” inclusive a igreja Católica Romana, confessa e professa que Cristo veio em carne, estariam todas elas certas e aferidas pela Palavra de Deus? Observe o seguinte: Qualquer credo que não admita que Cristo poderia ser vencido pela tentação e ter cometido pecado e, conseqüentemente, ter morrido a morte eterna, esta denominação ou pessoa em particular está negando a plena humanidade do Filho de Deus e, pregando que todos aqueles esforços, sacrifícios e lutas que Cristo fazia, era e foi uma grande e fantástica farsa; E agora, o que restou da crença ou crentes que aparentemente, professam que Cristo veio em carne?
Perg. 06 – Exaltar a Jesus Cristo não é suficiente, todo o cristianismo em massa faz isso, o que quase ninguém faz é centralizá-Lo em todos os aspectos da vida, como Soberano absoluto da igreja, Cristo no coração dos membros da igreja não é suficiente, Ele precisa está no trono do coração e toda a mensagem verdadeira dos mensageiros verdadeiros, precisa está de acordo com este diapasão, todo o desvio deste princípio, por menor que seja, desclassifica o mensageiro como mensageiro verdadeiro, ele é um falso profeta.

Parte de quinta feira. A prova do pomar.

Perg. 07 – Como já foi dito neste comentário, o profeta verdadeiro precisa declarar que suas mensagens lhes são concedidas diretamente de Deus pelos processos inspiração, visões,ditado, como ocorreu com todos os profetas da Bíblia; e em segundo lugar: Estas mensagens precisam está aferidas pela Lei de Deus, os Dez Mandamentos e os escritos dos profetas anteriores a eles; em terceiro lugar, estes profetas precisam viver aquilo que pregam; imaginem um profeta pregando contra a idolatria e, ao mesmo tempo ter a sua casa repleta de ídolos!
Nota da perg. 07 – A questão crucial que envolve a pessoa do profeta, não são as suas involuntárias falhas em sua vida pessoal e particular, mas, eventuais falhas nas mensagens, a inspiração divina não admite falhas nas mensagens, estas precisam ser perfeitas e infalíveis, embora tenham sido transmitidas em palavras e linguagem humana e, portanto, falível e repleta de defeitos, conforme já comentado neste trabalho, e, neste aspecto, o conteúdo da mensagem de um profeta que assume a responsabilidade de declarar que recebe estas mensagens diretamente de Deus por inspiração do Espírito Santo, precisa ser tão perfeito como é a mensagem da Bíblia, se o Espírito santo é o Mesmo, a mensagem tem possuir o mesmo gabarito.
Perg. 08 – Esta citação das falhas de caráter daqueles que tinham o dom de profético, não faz sentido em se tratando da questão inspiração ou não inspiração destes elementos; A questão em discussão é: Foram inspirados quando falaram ou escreveram ou não? Esta é a questão, e, como identificar e definir isso, é outra questão.
Pág. 74, em perguntas para consideração. Tem havido demasiada ênfase no que a pessoa da “senhora White” falou, o que a senhora White disse, etc, e isso descentraliza a Bíblia como a única e exclusiva regra de fé e norma de conduta e, conseqüentemente, enfraquece a confiança dos crentes nas mensagens canônicas e as não canônicas.
Pág. 77, em III Elen G. White – Profetiza e profecia. “Deveríamos “diminuir” a pessoa da profetiza e deixar crescer as mensagens que Deus lhe deu para transmitir para a igreja, apenas estas mensagens deveriam constar como crença fundamental dos Adventistas do Sétimo Dia. Comp.c/ João 3:30.

Que possamos está firmados e estabelecidos nas mensagens que Deus através dos Seus profetas, e não, nas pessoas destes profetas. Amém!

Por Gilson Nery B. Costa. Espírito Santo do Pinhal.

assine o feed

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Créditos

100% Adventista

Site melhor visualizado no Google Chrome ou no Mozilla Firefox,
Desenvolvido por Bruno, membro da IASD Central do Rio de Janeiro.

Autores:

Clayson Albino

Daniel Santos

Editor Geral:

Bruno Vieira

Todos os Direitos Reservados © 2008 - 2013

Área Restrita

Usuário:
@comunidadeadventista.com
Senha:
Não consegue acessar a sua conta?

  © Comunidade Adventista - 2008 - 2013 | Desenvolvido por Bruno Vieira