Comentário da Lição - Lição 4 - Gilson Nery

Lição 04. Segundo trimestre. 18 a 25 / 04 / 009
Comentários de Gilson Nery
Esc. Sabatina.

V i d a

“Eu Sou” a Vida, disse Jesus, e, para os que perderam a vida ou o sentido da vida, Ele diz: “Eu Sou” a Ressurreição. João 14:6; 11:25; sem Cristo não existe vida e nem ressurreição, em nenhum aspecto da existência de seres vivos em nenhuma parte do Universo, Ele é o Alfa e o Ômega da nossa vida, a Sua presença significa vida e ressurreição, a Sua ausência significa, vida curta sem sentido e morte sem ressurreição; para os que perderam a vida dos seus queridos Cristo diz: “Eu abrirei as suas sepulturas e os tirarei de lá com vida abundante e eterna. ( Ezq. 37:12-13; João 5:28-29;Dan. 12:2. Amém, ora vem Senhor Jesus! O sentido etimológico da palavra vida, pode ser, o inverso de morte, e, o seu sentido teológico é, Jesus Cristo, o Príncipe da Vida. A Bíblia diz que Deus é Fortaleza e o Manancial da nossa vida ( Sl. 27:1;36:9 ) e, que a Sua graça é melhor que a vida ( Sl. 63:3 )e, isso é assim, porque é em Cristo através de Sua graça, que nós temos vida, vida em todos os seus aspectos. Durante milênios a humanidade tem procurado a fonte da juventude eterna, mas, a grande maioria a tem procurado em lugares errados; como citado acima, a única Fonte da juventude eterna é o Criador da vida, Ele é o Manancial da vida, mas, como diz o Próprio Deus: “O Meu povo fez duas maldades: Amim Me deixaram, o Manancial de águas Vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas que não retém as águas.” Jr. 2:13. Procurar a Fonte da juventude eterna em sistemas e teorias filosóficas, ou mesmo que seja no aspecto teórico e teológico em si, das verdades eternas e, mesmo que seja “respeito” do Próprio Cristo, Deus o Pai Celestial e o Espírito Santo, não é suficiente, o Pai Celestial Teórico e Filosófico, o Filho de Deus, o Espírito Santo e Sua Palavra, apenas teórico e filosófico e até mesmo teológico em um sentido acadêmico simplesmente, não se constitui, em si mesmo, a Fonte da juventude eterna, estes sistemas, muito importantes e vitais, são como meios indicativos Desta Fonte da vida eterna e, não são, em si mesmo, esta Fonte, Deus não é uma teologia, não é uma Filosofia, não é uma teoria e nem um sistema, Deus é uma Pessoa Real, Física e palpável e, que habita em uma parte do Universo, também, real, literal, físico e palpável e, que, em Espírito e no Seu espírito, habita, também, com o contrito e o abatido de espírito. Isa. 57:15. Permitir que Deus habite conosco e ocupe o trono da nossa vida como o Único Soberano e Senhor nosso, significa possuir a Fonte da juventude eterna, vida eterna já no presente e, que esta se inicia em nós desde os primeiros goles de água Desta Fonte e Manancial. Veja João 4:13-14; 3:36; 5:24;6:47 e I João 5:12-13.

Verso para memorizar: É quando Deus ocupa o trono do nosso coração, que somos vivificados por Sua presença e temos vida em abundância e nos iniciamos na vida eterna aqui e agora, Este Deus desceu do Seu alto e sublime Trono na eternidade ( Isa. 57:15;6:1-3 ), Se tornou Humano, viveu, morreu e ressuscitou para que pudéssemos possuir vida abundante e eterna, portando, esta vida abundante mencionada por Cristo, nos pertence por direito Seu e mérito Seu, já e agora, não é uma promessa apenas para o futuro, ela abrange cada minuto da nossa vida presente e nos impele para a vida futura na Cidade Eterna, quando não haverá nenhuma interrupção de vida. Amém!

Parte de domingo. O dom da vida.
Admitir ao acaso, a origem de aparelhos de altíssima complexidade, como computadores e relógios da alta precisão, é equivalente a uma loucura, uma imbecilidade e coisas de mentecaptos, dirá qualquer ser inteligente e equilibrado; o mesmo raciocínio deveria prevalecer, e, com muitíssima mais razão e lógica, para a origem do Universo e dos seres viventes, que são de muitíssima mais complexidade do que qualquer aparelho criado pelo homem, quer sejam racionais ou irracionais.
Perg. 01 – A origem da vida está Naquele que possui vida inerente e, é a Vida em Si Mesmo; é o dogma ( não ciência ) da evolução da espécie, que admite que é possível que toda esta avalanche de tecnologia avançada e de alta complexidade e precisão, tenha vindo por um mero acaso de uma explosão dos elementos que são formados. A revelação aponta o Criador da vida, um Ser Inteligente e Pessoal, e, isto é lógico e racional, para seres racionais, é Claro, mas não para os irracionais, naturalmente.
Perg. 02 – O maravilhoso milagre da formação da vida humana pela ação de um Ser Pessoal, Inteligente e Todo Poderoso, o texto afirma que sem Ele nada do que foi feito se fez.

Parte de segunda feira. A vida física.

Perg. 03 – Jesus Cristo procurava restaurar a saúde das pessoas; 2.000 porcos foram sacrificados e, um ser humano foi curado; os porcos não foram sacrificados por ato de Cristo, mas por permissão à título precário e para que possamos nos conscientizar do valor que Cristo dá ao ser humano, mas isto significa uma insignificância absoluta, comparada ao sacrifício de dimensões infinitas, que a Divindade fez ao sacrificar o Seu Próprio Filho, arriscando perdê-Lo para sempre e toda a eternidade, para pagar o preço da nossa salvação eterna.
b – Recreação aprovada por Cristo, mas, que diferença das nossas recreações de hoje em dia! Se os jovens Adventistas de hoje, estivessem naquelas recreações orientadas por Cristo, ficariam desapontados e inquietos por não encontrarem ali os seus sistemas recreativos modernos como jogos e outras frivolidades e chocarrices, que já existiam naquela época mas que não foram aprovadas por Cristo.
c- Foram, aproximadamente, umas 15.000 pessoas que foram alimentadas com apenas cinco pães e dois peixes, que era o lanche daquele jovem previdente. Quando os nossos parcos e limitados recursos passam pelas mãos de Cristo e recebem a Sua bênção, estes se multiplicam e, se multiplicam mais ainda a medida que procuramos distribuir as multidões a medida que recebemos das mãos de Cristo. Este histórico nos fala sobre o interesse que Cristo sempre teve em nossa vida secular, Ele não está interessado apenas no nosso futuro eterno, mas, também, em nossa vida presente, mas, precisamos colocar em Suas mãos todos os nossos reduzidos recursos para que sejam abençoados e, acima de tudo o nosso coração precisa ser colocado em Suas mãos para que seja curado e abençoado.
d – Deus nos deu o Seu Sábado originário da Sua semana padrão da Sua criação, para que nos conscientizássemos sempre de que Ele é nosso Descanso, o nosso Refrigério e a origem da nossa vida e, como um antídoto contra a imbecilidade de teorias evolucionistas que O excluem das nossas verdadeiras origens. Deus gosta imensamente de Se encontrar conosco em tempo integral e para isso designou o Dia específico e sétimo da Sua semana, a semana da criação, da nossa criação; todos os dias podem ser consagrados a Deus para adoração por escolha nossa, mas Deus escolheu este dia especial de origem da Sua semana criada por Ele, para um encontro especial de 24 horas em tempo integral e, este dia, segundo o Seu plano e propósito, deve ser o sinal entre Ele e o Seu povo para toda a eternidade.
d – Resp. Quando Cristo disse que até mesmo os fios de cabelo da nossa cabeça estão todos contados por Deus, ( Mt. 10:30 )significa que os mínimos detalhes de nossa vida terrestre são de Seu interesse e, que, nós deveríamos conversar com Ele sobre estes mínimos e aparentemente insignificantes detalhes. Note, conversar e não rezar palavras repetidas no sistema de gravação ou na base dos papagaios, Deus quer conversar conosco como um amigo conversa com o seu amigo. Sl.(Salmo)62:8; em algumas traduções, existe uma diferença de um capítulo, é só verificar.

Parte de terça feira. Vida espiritual.

Perg. 05 – Como podemos ser “novas criaturas” em Jesus? Resp. nascendo de novo pelo poder do Espírito Santo; pela ordem os processos divinos do novo nascimento:
1 – Ato de Deus planejado desde a eternidade passada, obviamente, sem a participação humana. Reis, 16:25;Ef.1:4,5;I Pd. 1:19-20;Apc. 13:8; Etc;
2 – Conscientização e ponto de atração, Cristo exercendo atração no ser humano; operação divina sem a participação do homem.
3 – Inicio da gestação da fé; ato de Deus sem a participação humana, dom de Deus. Rom. 12:3;At.3:16; Jd.3; este dom é concedido e comunicado a todo o ser humano.
4 – O nascimento da fé, ( obviamente, depois da gestação vem o nascimento ), ato de Deus, através do Evangelho. Rom. 10:17; Jd. 3.
5 – Operação no homem ( não por ele, mas nele ), para que creia. Ato de Deus ajudando-o a crê. Mc. 9:24.
6 – A crença. Ato do homem operado pelos atos de Deus mencionados acima, ajudando-o a crer. Fil. 2:13 e o verso 12; note esta seqüência de frases deste texto: “Operai a vossa salvação...” “porque” Deus é que opera “em” vos...” Etc. Nesta altura dos atos de Deus mencionados acima, o homem está de posse de possibilidades de operar, ainda ajudado por Deus, a sua salvação.
07 – Entrega completa e sem reservas ( ou não entrega, Deus não elimina a capacidade do livre arbítrio )a Cristo. Ato do homem que foi atraído pelo poder e virtude de Cristo. II Cr. 19:9;Mt. 21:42.
08 – Arrependimento; ato de Deus; o homem recebe ( ou não recebe, ele pode rejeitar se quiser ), o dom do arrependimento, o verdadeiro arrependimento, ao contemplar o grande e profundo amor da Divindade em arriscar-Se, em Cristo, a perder a Sua eternidade, vindo ao mundo como Homem, viver uma vida de violentas tentações e morrer morte sem esperanças, ou seja, a natureza da segunda morte, para salvá-lo.
09 – Canonização ( justificação por imputação da justiça de Cristo em apenas alguns segundos ); ato de Deus sem as obras do homem ao crer ele em Cristo como o seu Substituto que morreu a natureza da segunda morte em seu lugar aceitando este supremo sacrifício como o ÚNICO E ABSOLUTO mérito para a sua salvação; crente e arrependido, é justificado, e perante a lei aparece como completamente inocentado e sem nenhuma condenação, está vestido com as vestes reais da justiça e nobreza Daquele que é a Justiça Nossa.
10 - Confissão, justificação da Pessoa de Deus. Este homem justificado e salvo, agora justifica a Pessoa de Deus confessando perante todo o Universo, os seus pecados; não se trata de uma confissão no sentido de historiar os seus pecados perante Deus, mas de uma confissão que reconhece no mais profundo da sua alma, que Deus não é absolutamente e em nenhum aspecto, responsável pelos pecados que cometeu, e, com este testemunho precioso, tira a Pessoa de Deus do banco dos réus que dentro do grande contexto do conflito dos séculos, aí foi Colocado pelo pecado e seu autor e originador. Esta preciosa alma, torna-se uma testemunha de Deus perante todo o Universo. Isa. 43:10.
11 – Perdão. Ato de Deus. É uma ação judicial da parte de Deus que cumunica ao perdoado o livramento da condição de escravo do pecado, colocando-o em situação de um ser livre para escolher com poder de decisão própria para continuar ou não na situação de perdoado, justificado e salvo. Ficou livre da condenação do pecado e naquele momento se iniciou na vida de cidadão livre no reino da graça de Cristo. Nasceu de novo, é uma nova criatura nascida na família do Segundo Adão.
12 – Conversão. Ato de um homem já justificado, perdoado e salvo, mudança de rumo, retomada de posição, prática das primeiras obras motivadas pela fé, amor e pelo poder da graça de Cristo associadas ao esforço humano.
13 – Santificação, ou seja, adaptação ao Céu. Conservação da bênção da justificação. Ato do homem em associação com Cristo. O homem fazendo o seu melhor, não para se salvar, mas porque já foi salvo, e, Cristo associando e impregnando todas as obras do homem, desde as suas orações, cânticos de louvor e, em todos os seus esforços, lutas e batalhas contra o pecado, com o “incenso” da Sua justiça, que empiricamente e na pratica ( agora não somente judicialmente e em sentido forense ), o homem vai adquirindo a justiça que lhe é comunicada por Cristo. O homem agora está fazendo o seu melhor e Cristo complementando com a Sua Graça aquilo que falta, não em sentido de mérito para a salvação, não, absolutamente não, mas sim, em sentido de adaptação ao Céu, trata-se de uma pessoa já salva que se encontra se adaptando a vida futura, esta pessoa já salva, agora se encontra lutando para não parar de crescer até a estatura completa de Seus Salvador, como Homem, naturalmente; agora ele já está correndo a carreira proposta, olhando para Jesus; está andando sobre as águas, ( Heb.12:1 e 2;Mt.14:29;I Pd. 2:2;Dt. 8:3;Ef.4:13. Note bem, estar andando, não sendo carregado por Cristo sobre as águas.
14 – Glorificação. Ato de Deus sem a nossa participação, em um momento de um abrir e fechar de olhos, o nosso corpo mortal será revestido de imortalidade e será, também revestido de glória. I Cor. 15:51-53.
15 – Trasladação. Ato de Deus sem a participação humana. Em Sua vinda, Cristo não virá, propriamente dito, salvar o Seus povo, mas virá buscar um povo já salvo e glorificado, faltando apenas ser levado para as Mansões Celestiais onde nos esperam os luxuosos palácios de marfim. Sl. 45:8.
Perg. 06 – Aceitar a Divindade no trono dos nossos corações significa a criação, em nós, de uma nova índole e motivações nobres e santificadas para cada dia morrermos e ressuscitarmos com Cristo ( I Cor. 15:31;Rom.6:6 ), embora ainda tenhamos que conviver com a nossa velha natureza pecaminosa que deve ser mantida em sujeição pelo poder da graça de Cristo até a glorificação, quando será eliminada totalmente e para sempre.

Parte de quarta feira. Vida social.

Perg. 07 – Precisamos, na medida do possível fazer amizade com todos, mas não devemos nos esquecer que o evangelismo mundial não pode depender de fazermos amizade com todos para a seguir pregarmos este Evangelho, porque, neste caso, teríamos que ficar por aqui mais alguns milhares de anos tentando o impossível e, não devemos nos esquecer, também, que Cristo nos diz que “ai de nós quando todos disserem bem de nós;” Lc. 6:26 e, também, que a Bíblia diz que todos que quiserem viver piamente em Cristo Jesus, padecerão perseguições e, o Próprio Cristo disse que não veio trazer paz a terra e, isso é assim porque a humanidade não aceita os princípios do reino de Deus contidos no Evangelho de Cristo. A amizade tem o seu lugar, mas está muito longe de ser uma meta atingida com todos antes de pregarmos o Evangelho, também não devemos nos esquecer dos perigos da amizade com o mundo de que fala a Bíblia Sagrada, Tiago 4:4, especialmente a juventude precisa ser muito advertida sobre isso. Sl.1.

Parte de quinta feira. Plenitude de vida.

Componentes de uma vida plena.
1 – Uma vida cheia de possibilidades com o Deus que pode realizar até mesmo o impossível.
2 – Uma vida com propósitos e motivações santificados.
3 – É uma vida plena de paz interior embora e, muitas vezes, não tenhamos paz exterior.
4 – É uma vida com missão, não existe cristão não missionário.

Perg. 08 – Passar pela vida suportando um jugo desigual, por exemplo, é a pior de todas as maldições; casar com um cônjuge feminista ou machista, é outra maldição que não devemos desejar nem mesmo para os nossos piores inimigos; riquezas em demasia e pobreza e miserabilidade sem Deus, é “ o fim da picada,” não existe nada pior. Veja e compare com, Prv. 30:8;21:9,19; 25:24;27:15;II Cor. 6:14-15.
Pág. 51 - , em vida abundante. Na realidade, a luz nunca foi criada, ela foi projetada aqui neste rincão do nosso sistema solar, esta sempre existiu com Deus, e, esta foi a luz que brilhou por aqui antes da função da nossa estrela, o sol.


Que em todos os aspectos da nossa vida Cristo seja o nosso Astro Rei iluminando todos recantos do nosso sistema solar pessoal. Amém!

Por Gilson Nery B. Costa. Espírito Santo do Pinhal.
E-mail gilnery@uol.com.br Tel.19-3651-1987.
Estado de S. Paulo.Brasil.
Classe Universitários
www.oestadio.com/escola.shtml

assine o feed

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Créditos

100% Adventista

Site melhor visualizado no Google Chrome ou no Mozilla Firefox,
Desenvolvido por Bruno, membro da IASD Central do Rio de Janeiro.

Autores:

Clayson Albino

Daniel Santos

Editor Geral:

Bruno Vieira

Todos os Direitos Reservados © 2008 - 2013

Área Restrita

Usuário:
@comunidadeadventista.com
Senha:
Não consegue acessar a sua conta?

  © Comunidade Adventista - 2008 - 2013 | Desenvolvido por Bruno Vieira