Comentário da Lição - Lição 11 - Gilson Nery

Lição 11. Segundo trimestre. 06 a 13 / 06 / 009
Comentários de Gilson Nery
Esc. Sabatina.


M o r d o m i a

Jesus Cristo é, em todos os seus aspectos e sentidos, o Exemplo de perfeição absoluta da verdadeira mordomia, Ele pregou e viveu a mordomia deixando-nos o exemplo para que sigamos as Suas pesadas ( I Pd. 2:21 ); Ele sendo o Proprietário de todos os bens que existem em todo o Universo, abriu mão de tudo e de Si Mesmo, pelo bem eterno de todos, Ele abriu mão até mesmo de Sua Própria vida arriscando perdê-la eternamente para que possamos viver eternamente sem nenhum risco de nenhuma espécie e, para que nos tornássemos mordomos de Seus bens aqui neste mundo agora e no futuro eterno; seria muito bom que déssemos mais atenção as palavras de Paulo em Fil. 2:5-8, para sermos motivados com mais afinco em nossa mordomia de fidelidade em qualquer espécie e circunstância da vida; Ele nos fez mordomos Seus, não porque precisasse de nossa mordomia, mas, para que sendo mordomos de Seus bens, sejamos felizes, nós é que precisamos da Sua mordomia para termos vida abundante, feliz e eterna. Jamais seremos mordomos felizes se a nossa mordomia não estiver vinculada e fundamentada na mordomia divina, esta mordomia divina precisa se tornar a nossa motivação impelente para sermos Seus mordomos fiéis; é o amor de Cristo que deve nos motivar ( II Cor. 5:14 ) à sermos mordomos fiéis e, nunca os nossos próprios interesses, nunca, por exemplo, devemos devolver os Dízimos e ofertas com o objetivo de sermos abençoados, mas sim, porque já fomos abençoados, se estamos devolvendo dez reais, por exemplo, é porque já recebemos noventa reais, a nossa motivação precisa partir do contexto dos noventa reais que já recebemos e não daquilo que ainda vamos receber, e, quando não tivermos nenhuma renda monetária, devemos levar para Deus, não apenas dez por cento, mas todo o nosso louvor, a nossa adoração e os nossos agradecimentos pelo dom da vida que vale muitíssimo mais do que dinheiro ou bens materiais e, isso é, também, o que significa ser mordomos fiéis, não esqueçamos nunca disto! Deus prometeu bênçãos materiais e monetárias ( Ml. 3:7-11 ), e, é pelos méritos de Cristo que estas bênçãos nos pertencem, mas não deve ser esta a nossa motivação impelente e básica; como diz o texto de II Cor. 5:14, citado acima, é o amor de Cristo que deve ser a nossa motivação básica e esta é a única fórmula para a cura do legalismo que em quase todos os cristãos existe arraigado lá pelos rincões de suas mentes e, que, em muitos casos, nem nós mesmos estamos conscientes disso; façamos, portanto, a oração do salmista registrada em Sl. 19:12-13 e 139:23-24, para que possamos ser mordomos fiéis e devidamente motivados. Amém!

Verso para memorizar: Não devemos nos esquecer que esta frase: “A todo o que tem,” deste texto é referente aquilo que já lhe foi concedido, ele tem porque já recebeu de Deus e, terá muito mais se “negociar” o que recebeu no sentido de aplicar estes dons para o bem da humanidade.

Parte de domingo. Talentos.

Perg. 01 – Note esta operação matemática simples: 5X2=10; 2X2=4 e, 1X1=1; A lei do Céu é sempre ascendente e progressiva em todos os aspectos da vida, embora possam haver quedas neste gráfico, o quadro demonstrativo da nossa administração espiritual precisa ser sempre ascendente, e, no caso em estudo desta parábola, o processo pode ser demonstrado como segue: 5X2=10X10=100X100=10.000, ou, 2X2=4X4=16X16=256X256=65.536, e assim por diante; O processo que deve ser riscado do nosso sistema operacional é: 1X1=1X1=1X1=1X1=1X1=1, que em um processo e administração inflacionária terminará, certamente em zero, e, neste aspecto é que podemos entender as Palavras de Cristo: “Até o que tem lhe será tirado.”

Parte de segunda feira. Tempo.

A Bíblia diz que Deus nos deu tempo para todo o propósito debaixo do Céu, ninguém, no juízo final, ou seja, agora, poderá dizer: Eu não tive tempo para buscar o Reino de Deus e Sua Justiça em primeiro lugar em minha vida. Ecl. 3:1 e Mt. 6:33.
Pergs. 02 – O Deus Unigênito, para O Qual o tempo e o espaço não contam, Se equacionou em nosso tempo e nosso espaço e exerceu uma mordomia de tempo exemplar para que sigamos as Suas pisadas; o equilíbrio pautado pelo princípios eternos da Palavra de Deus fazia parte desta Sua mordomia e, neste aspecto, Ele era absolutamente inflexível e mais firme que uma rocha.

Parte de terça feira. Mordomos do corpo.

Perg. 03 – Resposta: Objetivando sempre a Glória de Deus; a nossa preocupação com a saúde nunca vai ser excessiva se estivermos sempre seguindo o exemplo de Cristo no que diz respeito a mordomia do nosso corpo, visando assim, a Glória de Deus. O apetite, o paladar e o estômago, tem sido os “Terafins” ( deuses domésticos antigos; Gen. 31:19,30,34;35:2-4.Jz. 17:5) da grande maioria dos membros da Igreja Remanescente e, isso, com a desculpa esfarrapada de que não devemos ser excessivos em nosso zelo em sermos temperantes, um pouco de zelo, também é válido para com estes Terafins modernos para sermos equilibrados, dizem.
Não acho que devemos seguir a risca um regime “Espartano” no que diz respeito as suas sopas negras e amargas assim como as suas ausências absolutas de comodidades e adotando uma vida de austeridades militar excessivas, mas, creio que temos muito a aprender destes 300 soldados gregos de Leônidas, sobre o controle do apetite e renuncia.

Parte de quarta feira. Nossas posses materiais.

Perg. 04 – Toda problemática do Universo nos primórdios de sua história, se iniciou quando um dos principais mordomos quis ser o dono dos bens que lhes foram confiados, estes bens consistiam em sabedoria, formosura, esplendor, poder e um posto, ou primado jurisdicional, nas Coortes Celestiais; os seres humanos correm o mesmo risco, quando se apossam dos bens do Senhor deixando de serem mordomos para se tornarem, indevidamente, donos de Suas propriedades, particularmente e especialmente, em se tratando dos Dízimos e ofertas, mas, também, em se tratando dos nossos talentos, do nosso tempo,do nosso corpo, nossas posses materiais, etc.

Parte de quinta feira. Enquanto esperamos.

Perg. 05 – Note o seguinte: Não é tão difícil vigiar sobre os grandes lobos e as grandes raposas que rodeiam as nossas vinhas e o nosso rebanho, o problema principal e muito maior, são as raposinhas ( Cant. 2:15 ), que vão se esgueirando, se esgueirando até que conseguem passar sem serem notadas ( por falta de mais acurada vigilância )pelas frestas das nossas cercas e fazem os piores estragos e, isso, sem falar, também, dos pequeninos camundongos, que são bem menores que as raposas e os lobos, mas que se alojam em nossos fogões, nossas panelas, nossos guarda roupas e, roem e corroem a nossa saúde espiritual, muitas vezes, sem serem apercebidos. Precisamos urgentemente, enquanto esperamos, vigiar, orar e agir caçando implacavelmente, as raposinhas e os camundongos que ameaçam as nossas estruturas espirituais e, para isso, precisamos está equipados com todos os recursos divinos para sermos bem sucedidos nesta empreitada.


Que em qualquer tempo da nossa vida possamos dar conta da nossa mordomia em qualquer que seja os seus aspectos. Amém!



Observação e correção no comentário da lição anterior: Atravessar a nossa Galáxia em seu percurso mais longo, levaria mais 60.000 anos viajando na velocidade da luz. Corrigido pelo mesmo autor.

Por Gilson Nery B. Costa. Espírito Santo do Pinhal.
E-mail gilnery@uol.com.br Tel.19-3651-1987.
Estado de S. Paulo.Brasil.

Classe Universitários
www.oestadio.com/escola.shtml

assine o feed

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Créditos

100% Adventista

Site melhor visualizado no Google Chrome ou no Mozilla Firefox,
Desenvolvido por Bruno, membro da IASD Central do Rio de Janeiro.

Autores:

Clayson Albino

Daniel Santos

Editor Geral:

Bruno Vieira

Todos os Direitos Reservados © 2008 - 2013

Área Restrita

Usuário:
@comunidadeadventista.com
Senha:
Não consegue acessar a sua conta?

  © Comunidade Adventista - 2008 - 2013 | Desenvolvido por Bruno Vieira